Mascaras e desconforto na quarentena

INCÔMODO DA MÁSCARA NOS DIAS DE QUARENTENA

Um dos princípios mandatórios nos dias de quarentena é o uso de máscara. A ciência já provou que ela é efetiva e ajuda no controle da pandemia do coronavírus e na prevenção da Covid 19. Mas usá-la é um incômodo, pelo menos se o fazemos durante todo o dia, como ocorreu comigo nesta semana, devido a uma presença extra em casa.

Desde que começamos o isolamento, eu e minha esposa temos ficados sozinhos em casa. A empregada que nos acompanha há anos, está cuidando de sua família, fazendo o isolamento social e recebendo integralmente seu salário. Mas nessa semana, ela veio por dois dias à nossa casa e nos impusemos o uso de máscara, mesmo sabendo que ela é muito cuidadosa.

EXCEÇÃO

Nos mais de 90 dias de isolamento social, foi uma exceção termos recebido pessoas em nossa casa. O nosso prédio limitou o tráfego de gente, no que fez certo, e os moradores tem ficado em casa. Ter alguém de fora em casa, mesmo que seja conhecida e de toda confiança, acaba gerando tensão. Confiamos totalmente na Lena, nossa empregada, mas para a segurança dela e a nossa, usamos máscaras durante todo o tempo.

Vivemos em um apartamento amplo, o que nos dá o conforto de distanciamento, mesmo com uma terceira pessoa em casa. Nós três estávamos usando máscaras. E foi um uso de quase um dia. Para mim, o maior desconforto foi o fato de ficar com a boca seca, talvez pela respiração contida pela proteção da máscara.

UM ALÍVIO

Foi nossa primeira experiência de uso contínuo da máscara. Antes, vínhamos usando sempre que saíamos do apartamento, mas dentro do próprio prédio. E eu, em ocasiões raras, quando necessitei fazer exames clínicos, ir ao cartório e ao Correios. Fora disso, como estamos nós dois – eu e minha esposa – no apartamento, ficamos sem máscara. Com a presença da Lena, mudamos e as usamos.

É claro que, em  um intervalo de oito ou nove hora, ninguém fica direto com a máscara. É preciso tomar água e se alimentar, mas são pequenos intervalos em uma duração maior. O fato é que, ao final da jornada da Lena, foi com alívio que retiramos a máscara e a colocamos de lado. Foi uma experiência, necessária, que nos indicou como é que talvez seja o novo normal da vida.

NOVO NORMAL

Enquanto não tivermos uma vacina ou o risco de transmissão da Covid 19 seja muito baixo, pessoas como eu e minha esposa, por segurança, teremos de usar máscaras em quaisquer atividades externas. Talvez não seja mandatório o uso dela, mas é uma questão de segurança para nós, que não queremos ser infectados e vamos tomar todos os cuidados para não ser, aliás, como já estamos fazendo.

Ninguém pode antecipar como será o novo normal. O fato é que a ciência prediz a possibilidade de uma vacina ainda neste ano, mas não é certo. E a ciência também prediz que viveremos um bom tempo com a presença da Covid 19, pelo menos até que a maior parte da população esteja imune, por já ter contraído a doença ou por ter sido vacinada.

Enquanto isso, a nossa maior proteção continua sendo o uso da máscara, o isolamento e o distanciamento social. Eu, na certa, vou continuar praticando-os.

Compartilhe:

Twitter
Facebook
LinkedIn
Pinterest

Entre na conversa