Jacinta Arden, Sanna Marin e Mette Frederiksen, as mulheres que agiram rápido no combate ao Covid19

MULHERES, PANDEMIA E OS DIAS DE QUARENTENA

Existem poucas mulheres que, no mundo, lideram países. Mas são delas que nestes dias de quarentena e de pandemia que vem os melhores exemplos. No comando, agiram rápido, tomaram as medidas necessárias, ouviram a ciência, conversaram com a população, explicando a seriedade do coronavírus, e controlaram a Covid19 em seus países.

Essas mulheres, que governam a Nova Zelândia, Finlândia, Noruega e Dinamarca, mostraram a diferença que faz uma ação rápida, uma política segura e a conquista da confiança da população para combater o vírus. E elas também se contrapõem a países como o Brasil, onde o negacionismo da ciência e, pelo menos em relação ao Governo Federal, as ações contra a Covid19 praticamente não existem.

INFECTADOS

Aqui, no Espírito Santo, onde moro e na cidade em que vivo, Vila Velha, acordo e durmo ouvindo sirenes de ambulâncias transportando pessoas infectadas com o vírus. E o Governo capixaba tem agido, mas não o fez com a rapidez das mulheres líderes e temos visto aumentar o número de infectados e mortos. Mas se comparado ao Governo Federal, o Estado está fazendo o possível e as ações do Governo merecem elogios.

Se o Brasil caminha para ser um dos países com maior número de infectados, no caso dos países citados – e mais a Alemanha, a Eslovênia e Taiwan – a situação é diferente. Sim, há mortes, mas o número delas foi contido. Delas, a Alemanha é que tem o maior número de mortes. Nos outros casos, o número de infectados e de mortos é muito menor.

Nova Zelândia, Finlândia, Noruega, Dinamarca e Taiwan conseguiram controlar o espalhamento do vírus e o contágio da população, limitando o número de mortos. Enquanto, aqui, vemos a infecção se espalhar e o “presidente” desdenhar da doença, nesses países a vida começa a voltar ao normal. A ciência e a boa gestão venceram a pandemia, controlando-a.

TEMPOS DIFÍCEIS

Um dos detalhes que é recorrente no caso dos países citados é que são democracias representativas, como o Brasil. Suas dirigentes corresponderam a expectativa da população e ao agirem rápido, impediram que a doença se espalhasse. É a melhor forma de evitar problemas maiores, inclusive na economia, como mostram a Organização Mundial de Saúde, organismos internacionais e a ciência.

Aliá, antepor economia e pessoas é um erro. Dirigentes negacionistas, que não se importam com a morte de milhares, não entendem que não existe economia sem pessoas. Vivemos, queiramos ou não, em uma sociedade de consumo e é o consumo que movimenta a economia. A retração é inevitável, devido ao coronavírus. Não por a economia estar fechada, mas por que as pessoas não vão comprar.

GASTAR MAIS

Em tempos de crise e vivemos uma delas, não há dúvida, as pessoas passam a comprar o básico, como mostram estudos dos mais variados, que tem o Brasil como base. E se o consumo cai, a economia encolhe, como encolhem os empregos. É um círculo vicioso. E só saímos dele com ações rápidas e prontas, como as tomadas pela Nova Zelândia, Finlândia, Noruega e Dinamarca.

Ao ouvirem a ciência, agirem rápido e garantir a compreensão da população, as mulheres líderes deram exemplo de como agir. E também se colocaram na contramão de quem defende o corte de gastos a todo custo. Seus Governos se movimentaram para dar suporte às empresas e a seus cidadãos, garantindo que fizessem uma transição tranquila.

Na pandemia, é hora de gastar mais. E sobretudo, de garantir a sobrevivência dos mais necessitados, que no caso do Brasil, de acordo com os últimos números, chegam a 80 milhões de pessoas.

Não é preciso olhar muito de perto para ver o contraste entre quem tomou medidas rápidas, ouvir a ciência, fez planos de contingência e as tornou claras para a população, e quem não o fez.

A diferença é o número de  mortes. E, infelizmente, o Brasil está nessa segunda categoria.

Compartilhe:

Twitter
Facebook
LinkedIn
Pinterest

Entre na conversa