Higiene e limpeza de tudo é uma mudança que os dias de quarentena nos trazem

HIGIENE E LIMPEZA NOS DIAS DE QUARENTENA

Em maior ou menor grau, todos nós temos cuidados com a higiene e limpeza, principalmente a pessoal. O que a pandemia do coronavírus e a Covid 19 nos trouxeram nestes dias de quarentena é uma preocupação muito ampliada com a higiene e limpeza do que entram em nossas casas.

Tomemos como primeiro exemplo as frutas. Antes, elas eram lavadas e isso bastava. Hoje, com a pandemia, não. É preciso higienizá-la submetendo-as a uma solução de água sanitária com água e, depois, lavá-las, secá-las e, em alguns casos, ainda usar o álcool para completar a limpeza.

CALÇADOS

Outro bom exemplo são os calçados. Antes do coronavírus, chegávamos da rua e entrávamos direto em casa, sem nos preocupar se nosso sapato, tênis ou chinelo estavam sujos. Agora, é diferente. Ninguém, em sã consciência, entra direto da rua em casa. Chega, tira o calçado, deixa-o do lado de fora e entra. Depois o pega e leva para higienização.

O que estamos vivendo é uma mudança de hábitos e, ao mudar, somos despertados para procedimentos que não fazíamos, mas que acabam se incorporando às nossas vidas. Eu, por exemplo, vou continuar deixando os calçados do lado de fora, mesmo quando a pandemia passar. É uma forma de deixar a casa mais limpa, pelo menos.

OUTRAS COISAS

O mesmo cuidado se dá com todas as compras que entram em casa. O que está em latas ou em embalagens hermeticamente fechadas é lavada com água e sabão e, depois, enxaguada. No caso do que não pode ser lavado, a higienização é feita com álcool gel. Nada fica sem ser limpo e bem limpo.

A rotina que adotamos aqui em casa é a seguinte: o que chega de compras é separada ainda do lado de fora e colocado em uma caixa plástica. Dela, vamos retirando cada item e levando-o para a higienização apropriada. No final, a caixa que recebeu as compras também passa por limpeza. Temos uma caixa específica e, para ela, o combinado é que, se o item foi nela colocado é porque já está limpo do coronavírus.

EXTREMOS

Você pode até achar que são cuidados extremos, que não é necessário tanto. Mas nos mais de 90 dias de isolamento social – que no nosso caso foi voluntário desde o início – e do qual não sabemos, ainda, quando sairemos, passamos a adotar todos os cuidados. Minha esposa é ainda mais cuidadosa que eu.

O que estamos fazendo, quando se trata de higiene e limpeza – pessoal e do que entra em casa – é devido à consciência que temos que devemos nos prevenir. O vírus é invisível e pode ser deixado em qualquer lugar apenas por um toque. Então, todos os cuidados são necessários.

Difícil? Para quem abraça a mudança, é fácil. Para quem resiste a ela, acredito que seja difícil, mas não posso julgar. No nosso caso, estamos fazendo o que achamos necessário para nos preservar. E vamos continuar assim – eu e minha esposa – até que a situação mude e a pandemia nos permita uma “vida normal”.

Certamente um “novo normal” que vai incorporar muitos dos hábitos adotados durante o período de isolamento social.

Entre na conversa