Tarefas domésticas são coisas de homem e eu as estou fazendo nestes dias de quarentena

TAREFAS DOMÉSTICAS E DIAS DE QUARENTENA

Nunca fui afeito às tarefas domésticas, mas isso mudou nos dias de quarentena. Filho único, sempre tive praticamente tudo feito em meu favor, principalmente quando se tratava de tarefas caseiras. Meus pais sempre fizeram questão que eu não me envolvesse nelas e esta é uma das razões de nunca ter cozinhado, sequer fritado um ovo até muito, muito mais tarde.

Quando saí de casa, a situação não mudou. Primeiro, fui morar com tios e, na casa deles, a exemplo do que ocorria na dos meus pais, era minha tia que cuidava de tudo e nunca me deixou participar. A situação permaneceu igual quando fui morar sozinho, o que foi por pouco tempo, já que meus pais se mudaram e vieram morar comigo.

DIARISTA

Inadaptado à cidade, papai quis voltar para o campo e mudou-se, desta vez, para Iúna. Foi um tempo em que, de novo, morei sozinho. Isso, no entanto, não significou que cuidasse da casa e que tivesse tarefas domésticas. Eu a usava praticamente só para dormir, comendo fora e o que restava era uma limpeza esporádica, que uma diarista fazia, e a roupa, que era lavada também fora.

A situação não mudou quando me casei. Fomos, eu e minha esposa, morar na mesma casa que eu já morava, que sofreu melhorias e adaptações. Ela, como eu, trabalhava fora e nossas refeições eram, durante a semana pelo menos, fora de casa. Nem eu, nem ela, preocupávamos com a limpeza, feita novamente por uma diarista.

FILHA

A situação mudou um pouco no nascimento de minha filha. Como ambos estávamos fora a maior parte do tempo, era necessário ter alguém para ficar com ela. Foi quando contratamos a primeira empregada doméstica. E ela, além de cuidar da Fernanda, também cuidava da casa. Mais uma vez, eu estava eximido das tarefas domésticas.

Esta situação perdurou durante os anos, não só pelo trabalho, que me deixava fora de casa durante toda a semana, mas por ter alguém em casa que nos ajudava, cuidando das tarefas domésticas. Felizmente, eu tinha uma posição que nos permitia ter uma empregada em tempo integral e, muitas vezes, contar com uma diarista, exclusivamente para a limpeza.

Anos e anos se passaram e, finalmente, a situação mudou. A mudança foi provocada pela quarentena e os dias fechados em casa, no isolamento social. Devido a pandemia, nossa empregada foi cumprir o isolamento social em casa, com o seu salário garantido. Ficamos eu e minha esposa em casa.

TAREFAS

E foi graças à pandemia e à quarentena que a situação que persistia há anos, mudou. Não era justo nem correto que todo o trabalho de casa ficasse a cargo de minha esposa. Não que, inicialmente, ela quisesse me deixar fazer alguma coisa.

Mas eu quis participar e comecei a assumir tarefas menores, como lavar e enxugar a louça e ajudá-la na cozinha, participar da higienização do que entra em casa e realizar outras tarefas que a deixem menos sobrecarregada, pois continua trabalhando no dia a dia, durante a semana.

Sempre há muito o que fazer em casa e, nos quase 50 dias que estamos em isolamento social, eu tenho buscado participar, fazendo o que nunca tinha feito antes. Um dos momentos emblemáticos, para mim, foi quando, ajudando minha esposa, comecei a enxugar folhas de alface, que acabavam de ser higienizados.

Estou aprendendo. Mas a pandemia e a Covid19 mudaram minha perspectiva e me trouxeram uma nova realidade e, nela, é preciso portar-se de modo diferente e participar mais das atividades da casa.

É o que estou fazendo e, ao mesmo tempo, ocupando o tempo que temos com coisas práticas, como sovar pão, ajudar na cozinha ou, mesmo, arrumar a cama.

Compartilhe:

Twitter
Facebook
LinkedIn
Pinterest

Entre na conversa