Família: Com meu pai e minha mãe a união dos Rezsendes, Barbosas e Bossois

FAMÍLIA, TUDO JUNTO E MUITO MISTURADO

Família, no meu meio, é coisa bastante séria e quando se trata dos Reszendes, então, nem se fala. Isso fica evidente pela pequena história desta família que o blog traz há algum tempo e que, de longe, é um dos assuntos mais comentados nele. No meu caso, especificamente, os ramos familiares não se limitam aos Reszendes, mas envolvem também os Barbosas e os Bolsois. Tudo junto e misturado, resulta que no meu ramos familiar há sangue português, judeu e francês e isso pode ser constatado traçando-se a ancestralidade das três famílias que, por algum propósito, vieram morar próximas e acabaram se unindo através de casamentos.

Se tenho pendor para falar nestes assuntos, muito mais do lado Reszende, que é o mais visível da minha família, muito do que hoje sei devo a um tio que, sem um propósito definido, acabou coletando dados que permitem chegar à afirmação do título. Tio Raphael – assim mesmo, com PH e Rezende com Z – conseguiu confirmar, de forma documental, a partir de levantamento de terceiros, a descendência francesa, como se pode ver no texto O meu lado francês. E as informações me chegaram a partir de uma conversa, quando me disse que possuía papéis que confirmavam a união dos Bossois com os Reszendes.

Confirmados dois ramos, faltava o terceiro, como informa O meu lado judeu. No caso de fazer o percurso contrário para descobrir as origens da família não avancei quase nada, mas, mais uma vez, meu tio veio com novidades, novamente de algo que havia descoberto e que tinha guardado. Os dados foram levantados pela professora Cheynne Figueiredo Cota, do  Aristeu Aguiar, no Alegre da minha infância, e fazem parte do recorte de  um antigo jornal. O que lá está mostrado de forma clara é que os Barbosas, Bossois e Reszendes, no caso da minha família, estão entrelaçados por casamentos entre eles, ligando meus bisavôs e, antes deles, seus pais e avôs.

A história levantada pela professora Cheynne mostra que os Bossois se ligaram tanto aos Reszendes quanto aos Barbosa, já que todos moravam em áreas próximas, e que dessas uniões acabaram vindo meus avôs dos lados maternos – Barbosa – e do lado paterno – Reszende. Afunilando a questão, tudo acabou desaguando na união mistura que nossa família se tornou. Sou assim Reszende, Barbosa e Bossois, talvez com um pouco mais ou um pouco menos de uma ou de outra família.

A verdade, no entanto, é que esta mistura acaba me tornando um verdadeiro brasileiro. Afinal, se existe alguém que seja misturado somos nós.

Entre na conversa