VOCÊ MORRE. E AS INFORMAÇÕES?

Em um mundo cada vez mais ligado, quase todos os nossos dados estão em meio digital e, muitas vezes, on line. Números de documentos, senhas de acesso ao banco, enfim, as informações essenciais que usamos todos os dias e que nos ajudam não só no nosso trabalho, mas também na diversão. Fazem, na verdade, parte do que somos e como somos.

Agora, imagine um novo cenário: O que aconteceria se você morresse? Sei, você não pensa nisso e nem acha que vai acontecer tão cedo. Afinal, é jovem, tem ótima saúde, se cuida e com isso acha que ainda vai viver um bom tempo. Tudo bem. Mas imaginando que pudesse acontecer, como ficaria? Ah! Nunca pensou nisso, não é? Eu também não até ver um vídeo no Live Science, um site em inglês com conteúdo muito interessante.

O que o vídeo mostra, basicamente, é o transtorno que a vida on line pode trazer não para quem parte, mas para quem fica. Neste caso, as últimas palavras de quem já fez uma nova jornada podem ajudar, e muito, os que ficam. Então, por que não deixar a sua vida on line também off line? Imagine o trabalhão que dará para decifrar senhas, acessar contas, ver arquivos, mesmo que estejam no computador e off line se quem ficou não souber senhas, meios de acesso, etc.

Pois é. Uma coisa que, de início, pode parecer banal, na verdade pode causar grandes problemas. Veja o caso de uma conta bancária. Se você não tiver acesso a ela, só que pode dá-la é a justiça. E como todos sabemos, isso leva tempo, principalmente no Brasil, com a justiça beeeeem lenta. Entendeu? Fiquei surpreso com o que o vídeo coloca e confesso que, embora tenha ainda uma longa expectativa de vida, vou anotar em meio analógico, físico, estes dados e deixá-los à mão.

O curioso de tudo é que temos sempre presente que por estarmos on line e, hoje, praticamente ligados durante todo o tempo, não mais precisamos dos meios analógicos, das anotações, do papel. É uma visão parcial das coisas, como mostrado pelo Live Science. Este, contudo, é um problema fácil de resolver: basta anotar senhas, logins, dados de contas, etc. e colocá-las no papel, deixando-o em local seguro. Neste caso, os dados estarão sempre à mão, até para nós próprios, como no caso de um acidente, o que não é muito difícil de acontecer no mundo digital.

E agora, você é capaz de responder a pergunta: O que aconteceria se você morresse? Olhando o meu próprio caso, posso dizer que nenhum dos dados relacionados à minha vida digital existem em outros meios que não o próprio digital. Vou mudar e anotá-los todos, guardando-o em um lugar onde, eventualmente, outros terão acesso no caso de necessidade.

Como diz um velho ditado, prevenir é sempre melhor que remediar.

O ANO COMEÇA, DE VERDADE

Agora é oficial e o ano começa, de verdade. Afinal, já passou o Carnaval e as coisas começam a entrar nos eixos, pelo menos até o próximo feriadão. Depois de um pequeno recesso, o blog está de volta e, nela, quero retomar algumas práticas adotadas aqui e que foram meio que deixadas de lado nos últimos tempos.

Vou procurar conciliar a atenção com o blog e seus leitores com a carga de trabalho, que não tem sido pequena. Vou, também, dar maior atenção ao blog que ficou, confesso, meio que abandonado, não só neste carnaval, mas já há algum tempo.

Então, vamos começar o ano.

Compartilhe:

Twitter
Facebook
LinkedIn
Pinterest

5 Respostas

Entre na conversa