VOCÊ É VICIADO EM DÍVIDAS?

debito.jpg

Juan Castells, um teórico com uma larga obra sobre as relações de consumo na sociedade, já disse que, hoje, para sermos cidadãos precisamos, também, ser consumidores. Pode ser verdade, mas o consumo tem, também, o seu outro lado, o do endividamento.

Foi pensando nisso que o Debtor, um site dos Estados Unidos, desenvolveu um pequeno teste para determinar, ao final e para quem o faz, se é ou não “viciado” em dívida. Pode parecer brincadeira, mas não é. Então, responda às questões abaixo:

  • 1 – Você fica infeliz quando faz algum débito?
  • 2 – As pressões das dividas o distraem do seu trabalho diário?
  • 3 – Suas dívidas estão afetando a sua reputação?
  • 4 – Por causa das dividas pensa menos em você mesmo?
  • 5 – Alguma vez você deu informação falsa para conseguir crédito?
  • 6 – Você já prometeu o que não pode cumprir para conseguir crédito?
  • 7 – A pressão dos seus débitos fazem com que se preocupe menos com sua família?
  • 8 – Você teme que seu empregador ou família saibam o total de sua dívida?
  • 9 – Quando está em situação difícil, a possibilidade de pegar um empréstimo lhe alivia?
  • 10 – O volume de sua dívida acaba lhe causando problemas de sono?
  • 11 – A pressão das dívidas faz você pensar em beber?
  • 12 – Alguma vez você pegou empréstimo sem considerar os juros que está pagando?
  • 13 – Quando faz cadastro para um compra, teme que a resposta seja negativa?
  • 14 – Você faz um acordo de pagamento sabendo que, logo depois, vai quebrá-lo?
  • 15 – Você justifica suas dívidas dizendo que é superior aos “outros” e que, da noite para o dia, vai se livrar delas?

E então, agora conte quantos Sim e quantos Não você respondeu. Se no final computou pelo menos oito sim, meu amigo e minha amiga, você tem um sério problema e é viciado em dívidas. Neste caso, só com ajuda – e não é monetária – para sair dela.

Se você chegou ao final e não se enquadra entre os viciados, parabéns. Mas dizem especialistas que é preciso tomar cuidado com o crédito, fácil de tomar, mas difícil de pagar. Nada como a prevenção, neste caso, para evitar que, descuidados, acabemos neste “vício”. (Via Debtor, em inglês)

Compartilhe:

Twitter
Facebook
LinkedIn
Pinterest

27 Respostas

Entre na conversa