SOMOS OU NÃO SOMOS HERÓIS?

herois

Não sou f㣠do que se convencionou chamar de “ações motivacionais”. Nelas, normalmente conferencistas bem sucedidos dizem o que é óbvio a uma plateia atenta, que sai leve e alegre, mas que, no choque com a realidade, esquece tudo o que ouviu. Acho que estas atividades não acrescentam nada, não ensinam nada. Por isso, considero que são um desperdício de tempo.

Talvez eu seja exceção, pois muita gente ama este tipo de atividade. E, nela, um do que tem maior sucesso é o médico Roberto Shinyashiki, que cobra uma fábula por uma palestra e tem sua agenda completamente tomada por elas. Pois é para ele que vou tirar o meu chapéu e reconhecer que disse coisas com as quais concordo.

As afirmações foram feitas em uma entrevista para a revista Isto E estão circulando em uma apresentação em Power Point pela Internet. Foi esta apresentação que recebi e de onde tiro algumas coisas que o Shinyashiki disse. Veja:

  • Para cada diretor de empresa, há milhares de funcionários que não chegaram a ser gerentes. E essas pessoas são tratadas como uma multidão de fracassados. Quando olha para a própria vida, a maioria se convence de que não valeu a pena porque não conseguiu ter o carro nem a casa maravilhosa
  • Heróis de verdade são aqueles que trabalham para realizar seus projetos de vida, e não para impressionar os outros. São pessoas que sabem pedir desculpas e admitir que erraram.
  • É pena que a maior parte das pessoas esconda suas raízes. O resultado é um mundo vítima da depressão, doença que acomete hoje 10% da população americana.
  • Parte da culpa está na depressão das aparências, que acomete a mulher que, embora não ame mais o marido, mantém o casamento, ou o homem que passa décadas em um emprego que não o faz se sentir realizado, mas o faz se sentir seguro
  • A única coisa que prepara uma criança para o futuro é ela poder ser criança. Com a desculpa de prepará-los para o futuro, os malucos dos pais estão roubando a infância dos filhos. Essas crianças serão adultos inseguros e terão discursos hipócritas.
  • “Qual é seu defeito?” Todos respondem que o defeito é não pensar na vida pessoal:
”Eu mergulho de cabeça na empresa. Preciso aprender a relaxar. É exatamente o que o Chefe quer escutar
  • Hoje, como as pessoas não conseguem nem ser nem ter, o objetivo de vida se tornou parecer. As pessoas parecem que sabem, parece que fazem, parece que acreditam.
  • A gente tem de parar de procurar super-heróis. Porque se o super-herói não segura a onda, todo mundo o considera um fracassado.
  • Hoje, o erro das escolas de música é definir o estilo do aluno. Elas ensinam a tocar como o Steve Vai, o B. B. King ou o Keith Richards. Os MBAs tem o mesmo problema: ensinam os alunos a serem covers do Bill Gates. O que as escolas deveriam fazer é ajudar o aluno a desenvolver suas próprias potencialidades.

E então, o que achou? Gostaria de receber a apresentação e ver tudo o que o Shinyashiki falou? Deixe um comentário que, prometo, ele lhe será enviado por e-mail. Na entrevista ele diz várias outras coisas e, no meu entender, deveriam servir de reflexão.

Principalmente por ele percorrer o Brasil e ouvir gente de todos os tipos. Isso lhe dá um background e uma experiência únicas.

Compartilhe:

Twitter
Facebook
LinkedIn
Pinterest

17 Respostas

Entre na conversa