SÓ O LADO BOM DA VIDA

memo.jpg

Memórias, embora seletivas, nos trazem o lado bom do que vivemos. Mas também nos mostram, muitas vezes, o que não queremos lembrar, inclusive dos traumas sofridos, dos problemas tidos e de más lembranças, como por exemplo, no amor. Os dois lados – o bom e o ruim – estão juntos, quase que caminhando de mãos dadas.

E se pudéssemos lembrar só do bom? Nossa vida, neste caso, seria recheada de doces e bons momentos, desde o enlevo do amor ao aproveitamento da companhia dos amigos, dos colegas, os destaques na escola, etc. etc. Teríamos, então, na lembrança só o lado cor de rosa da vida. O cinza e o negro ficariam de fora, não recalcados, objeto de análise psicanalítica, mas em um mecanismo que não nos faria lembrar mais.

Seria bom? Eu não sei dizer. Mas os cientistas estão trabalhando neste sentido. Agora mesmo, publicações científicas estão noticiando estudo feito por pesquisadores argentinos – sim, argentinos! – que já conseguiram, em experiência com ratos, apagar a parte má da memória deles, deixando só o róseo, que foi considerado bom. É um primeiro passo, dizem, no sentido de que a pesquisa se expanda e chegue aos humanos.

Se levada adiante e obtiver sucesso, dentro de alguns anos mais poderemos ir ao médico ou a um especialistas – lembram do filme em que Robin Williams editava a memória de quem já havia morrido, tirando delas o que podia ser condenável? – e ele vai fazer com que, ao sairmos do seu consultório ou laboratório só tenhamos as boas memórias. As más serão todas apagadas.

Não duvido que cheguemos a isso. Mas se chegar ainda no meu tempo de vida, acho que não vou querer mudar nada do que lembro. Os bons momentos são ótimos, mas os maus momentos, embora às vezes dolorosos, também fazem parte de minha vida. E não tê-los, no meu entender, seria como uma fuga, ela sim, passível de análise e terapia.

Mas se quero todas as minhas lembranças, aposto que terá gente – e não serão poucos – que alegremente acorreriam aos locais das boas memórias. Seria quase que como no caso de Blade Runner, em que Rachael (Sean Young) tem memórias implantadas. Ou então, como em Total Recall, quando sobrepõe uma memória falsa à verdadeira do protagonista, o fortão Arnoldo Schwarzneger. Nos dois casos, nada é real, nem o bom, nem o mau.

Se a pesquisa for vitoriosa – depois dos ratos vem um longo caminho – as memórias serão, então, seletivas, mostrando uma parte da vida, uma parte do real. Mas uma parte dele será perdida. O que você acha? Aceitaria apagar as más memórias, ficando só com as boas?

frase1.jpg

A propósito do tema memória, recordação, prazer ou sofrimento, descobri duas frases que, no meu entender, são muito apropriadas para a ocasião. Confira-as e dê sua opinião:

“A dor é inevitável. O sofrimento é opcional…”. Carlos Drummond de Andrade, poeta brasileiro.

“O valor das coisas não está no tempo que elas duram, mas na intensidade com que acontecem. Por isso existem momentos inesquecíveis, coisas inexplicáveis e pessoas incomparáveis”. Fernando Sabino, escritor brasileiro.

E que todos nós tenhamos, com ótimas memórias, um excelente final de semana.

Tag: sem tag

19 Respostas

Entre na conversa