Novo livro de Neil Gaiman mistura a realidade com o fantástico

O FANTÁSTICO QUE REFLETE A REALIDADE

Um lago que se transforma em oceano e que, por sinal, está no fim do caminho. Uma família que tem capacidades sobrenaturais. Um menino sonhador que vê alguns dos seus sonhos transformarem-se em realidade. A dura vida em uma região da Inglaterra e as dificuldades da família para sobreviver. Junte tudo isso e você tem O oceano no fim do caminho, a última obra de Neil Gaiman publicada no Brasil. Escrito na primeira pessoa, o livro vai nos conduzindo, aos poucos, para o mundo fantástico criado por Gailman, que deixou de lado os quadrinhos – Sandman – para escrever belas histórias para criança e para adultos.

O que o personagem principal constrói o caminho que o leva da infância, a partir dos 7 anos, à fase adulta, quando retorna ao local onde as coisas relatadas no livro aconteceram. No início, parece o relato de uma criança tímida, que se apega mais aos livros e aos quadrinhos e que tem poucas amizades, aproximando-se de Lettie, uma menina das vizinhanças. E é essa aproximação que o coloca não ao lado, mas dentro de um  mundo fantástico, onde três mulheres comandam forças que são capazes de construir ou destruir o mundo.

Escrito em flashback, o personagem vive, na volta à infância, como se fosse um sonho. Ao visitar a casa da família Hamstock, antes de ir participar de um funeral, ele não se lembra que esteve nela, a não ser quando era criança. Aos poucos, e a partir de se sentar na sala e conversar com uma das mulheres da família – sem homens – ele vai se lembrando do desenrolar da estória, do que aconteceu e como aconteceu, levando-o, com a ajuda de Lettie a superar inclusive a morte. Pequeno, com 200 páginas apenas, de fácil leitura, O oceano no fim do caminho, é uma ótima leitura. Ela prende e vai nos surpreendendo à medida que a estória avança, misturando a realidade real – se a podemos chamar assim – com o outro lado da vida do personagem, que é fantástico por envolver forças e fenômenos que não controlamos.

Como em obras anteriores, Gaiman mistura a realidade, o dia a dia da vida das pessoas, com um outro lado, fantástico, habitado por deuses e outros seres fantásticos, alguns travestidos de pessoa que, à primeira vista, em nada diferem de outras comuns, mas que não o são. É este o caso de O oceano no fim do caminho. Sua leitura é pura diversão e eu recomendo.

Compartilhe:

Twitter
Facebook
LinkedIn
Pinterest

Uma resposta

Entre na conversa