O DIA EM QUE (QUASE) MATAMOS DEUS