NÃO ACREDITA? POIS É VERDADE

cones

Quase todos os dias a mídia traz uma nova notícia de alguém que bateu um recorde, superou uma marca mais antiga ou est]a tentando se destacar em uma ou outra atividade. Os recordes se tornaram, de certa forma, mania mundial. E tanto é assim que gerou um livro dos mais vendidos.

Mas dentre todos os recordes existem alguns que são inacreditáveis. Duvida? Veja alguns:

Atirado à maior distância – Em outubro de 2001, Mattew McKnight foi atirado a uma distância maior do que um terço de um campo de futebol americano. Ele foi atingido por um carro quando socorria alguém de um acidente em uma rodovia dos Estados Unidos. Ele ficou todo quebrado, sobreviveu e estabeleceu um recorde.

O maior cabelo da orelha – Esta façanha é de um indiano, Radhakant Bajpai, de Naya Ganj, Uttar Pradesh. O seu recorde foi estabelecido com cabelos medindo mais de 13 centímetros lhe saindo dos ouvidos. Imagine! Não deve ser bonito, não.

O mais velho stripper – O título é de uma cidadão dos Estados Unidos, que vive em Miami: Bernie Barker, que começou sua carreira quando tinha 60 anos. A pergunta é: pra quem ele tirava a roupa? Você se arrisca a responder?

A maior coleção de cones de trânsito – O “artista” que formou esta coleção de mais de 130 cones – presumivelmente roubados da sinalização de tráfego – é David Morgan, também dos Estados Unidos. Estranho? De certa forma, todas as coleções o são.

São apenas quatro exemplos de algumas das coisas mais estranhas que se transformaram em recordes. E isso sem falar em quem coleciona as mais estranhas coisas ou, mesmo, algumas menos estranhas, como caixas de fósforos, cartões de visita, molheiras, etc.

Acho até que, quando se trata de competições, de esporte, os recordes são uma consequência e até uma forma de consagrar o esforço de um atleta. Mas, aqui pra nós, fazer coleção de cones de sinalização de trânsito ou ser stripper após os 60 anos é meio estranho, não é? (Via Cracked, em inglês)

Compartilhe:

Twitter
Facebook
LinkedIn
Pinterest

12 Respostas

Entre na conversa