MORRENDO (LITERALMENTE) DE INVEJA

Inveja, raiva, ódio, ansiedade, estresse, comida não saudável e sedentarismo fazem mal ao coração e podem matar, literalmente. É o que os médicos garantem. Cuidar da saúde é bom, mas tem coisas que a vida moderna nos impõem e que não conseguimos vencer. O estresse é um deles. Raiva e inveja são coisas comuns. Como evita-las?

Sabe aquele novo estilo da mídia, de fazer matérias construtivas, que chamem a atenção para problemas que situações corriqueiras podem causar? Sem condições de acompanhar o que está acontecendo no mundo, coberto com muito maior rapidez pelos veículos on line, os jornais investem em matérias comportamentais, falando, e muito, de saúde.

Uma dessas matérias me chamou a atenção. Ela falava dos problemas diários e dos comportamentos que podem causar problemas ao coração. O jornal ouviu vários especialistas e cada um deles apontou alguns comportamentos ou ações que podem afetar o coração, colocando em risco a saúde e a vida das pessoas. O que primeiro me chamou a atenção foi a inveja.

Segundo um renomado cardiologista local, pioneiro nos transplantes cardíacos, a inveja pode matar. E não é no sentido figurado, não. É no literal, já que causa muito mal ao coração. De outro lado, segundo outro especialista, também a ironia pode ser perversa e criar problemas. Então, pensei, temos de tomar cuidado. Primeiro, para não termos inveja e, depois, vencida esta etapa, evitarmos a ironia ou nos livrarmos dela.

Os conselhos, no entanto, não pararam por aí. Um afirmou que o estresse é um grande problema e isso todos nós sabemos. O que eu não sabia – e talvez vocês não saibam, também – é que a raiva é muito ruim para a saúde cardíaca. O ódio, que uma raiva elevada a uma potência, então, nem se fala. Ela é, de acordo com o médico, mesmo mortal.

Você é ansioso ou ansiosa? Cuidado, pois ansiedade não faz bem ao coração. E o que dizer de emoções negativas? Sim, elas são muito ruins. Pelo que depreendi da reportagem uma maneira de cuidarmos do coração é estar de bem com a vida, não sentir raiva, não ter ódio, não ter emoções negativas, não se estressar, não ironizar e nem ser ironizado, além, é claro, de fazer exercícios e comer de modo saudável.

São bons conselhos, sem dúvida. Pelo menos os médicos pensam que sim. O que eles não dizem é como podemos colocar tudo isso em prática. Sei, exercício dá pra fazer. Comer só coisas saudáveis, talvez. Mas como não sentir raiva, não ficar ansioso ou não ter emoções negativas? E o que dizer da ironia. Acho que ela, muitas vezes, é um alívio, não um mau para o coração. Mas eu não sou especialista.

Os médicos estão certos. O problema é que a vida moderna é estressante e não temos, na maioria das vezes, como evitar o estresse. Assim ocorre com sentir raiva, que não é algo programado, ou inveja. E será que temos controles sobre as emoções negativas? Não creio. Ah, e por final, se estes comportamentos são os mais recomendáveis por que os médicos não o praticam?

Alguém pode me dar uma resposta convincente?

Compartilhe:

Share on twitter
Twitter
Share on facebook
Facebook
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

6 Respostas

Entre na conversa