LUTA EM QUE VALE (QUASE) TUDO

O que você faria para subir no emprego? Segundo matéria da imprensa, na hora de galgar um posto as pessoas são capazes de quase tudo, transformando a afirmação de "que lá fora é uma selva" em uma verdade. Na disputa, intriga-se o concorrente, aplica-se-lhe golpes baixos e a fofoca é usada como arma. Tudo para conseguir um melhor posto, um melhor salário. Os especialistas confirmam, mas será que esta é a norma? Eu acho que não, embora esteja fora deste mercado. E mudando completamente de assunto, o blog, quem diria, está virando objeto de estudo, feito por duas estudantes de Comunicação de Minas Gerais. Jamais imaginei que isso fosse acontecer, mas fico muito lisonjeado.

Referindo-se ao mundo, um autor inglês que não sei o nome cunhou uma expressão: É uma selva lá fora. Referia-se ao mundo e à competição entre as pessoas, empresas e entidades, todas lutando para conseguir sucesso e ter um lugar ao sol. A frase adapta-se bem a um mundo competitivo, onde cada um procura melhorar, subir, ganhar mais e impor-se, para demonstrar que é um sucesso.

A competição, com a globalização, tornou-se feroz. E atinge todos os campos. Não é diferente no mundo do emprego. Nele, temos, de um lado, a “venda” de um sonho: o bom emprego. E os jornais – a mídia, de um modo geral – explora isso muito bem. Mas não é este o foco deste texto. O objetivo, aqui, é olhar mais de perto como se dá o relacionamento das pessoas neste mundo, quando o emprego é desejado e a subida de posição uma conquista que deixa cadáveres pelo caminho.

O que impera neste mundo? Não tenho resposta, mas a se acreditar em uma matéria que acabei de ler, é mesmo uma selva, não lá fora, mas onde se disputa, primeiro, um emprego e, depois, uma promoção, uma melhoria. Nestes casos, o primeiro passo é de uma competição acirrada, com vários disputando um mesmo posto. Aqui, entra a competência, mas entra, também, o quem indica, o compadrio, o apadrinhamento.

Depois, já no emprego, é que as coisas ficam mesmo pretas – sem nenhuma conotação racial. Aí, então, vale tudo, indo da intriga à fofoca e desta aos golpes nos adversários, sejam eles quais forem. De acordo com especialistas que estudam o assunto e que foram ouvidos pelo jornal onde li a matéria, tudo é válido, desde que a promoção saia e se melhore, de cargo e de salário.

Como bons empregos são escassos, ganhá-los é uma boa conquista, mantê-los, melhor ainda, principalmente se conseguimos progredir, melhorar de status e de salário. Não tenho experiência nestas disputas, pois quando cheguei ao mercado de trabalho era diferente. E hoje, como mando na minha vida, vejo as coisas de um modo diferente. No meu universo profissional há competição sim, mas ela ainda não se transformou em um vale tudo.

E além disso tenho alguma experiência no relacionamento com empresas e não vejo este clima, apontado pelo jornal. Acho que a competição realmente existe, mas entendo que os golpes baixos, as fofocas, as intrigas não são o padrão, mas um desvio. E vejo muitas empresas que adotam a meritocracia para suas promoções, o que invalidaria estes procedimentos.

O fato, como registra o jornal, é que estes procedimentos – que são humanos – existem. E em algumas situações, podem acabar influindo a favor de se conseguir um cargo ou uma melhoria. E você, o que acha.

OBJETO DE ESTUDO

Quando iniciei este blog, há pouco mais de dois anos, jamais imaginaria que ele se transformaria em objeto de estudo. Pois não é que aconteceu. Primeiro, aqui, no Espírito Santo andei respondendo a questões de estudantes de comunicação, cujo trabalho de conclusão de curso era sobre internet e falavam sobre os blogs e a blogosfera.

Agora, no entanto, é mais específico. E sob o título “Blog Jornalístico/Lino Resende. Jor: uma análise do uso do blog como veículo jornalístico”, Manu Drumond e Marina Laviola, estão fazendo seu trabalho de conclusão de curso. Elas são graduandas em Comunicação Social – Jornalismo com Ênfase em Web e Multimídia da Universidade Presidente Antônio Carlos-UNIPAC, na cidade de Conselheiro Lafaiete-MG. Jamais imaginei uma coisas dessas, mas sinto-me honrado de servir para este tipo de trabalho.

NOVA FERRAMENTA

Acho que todos sabem que uso o WordPress como plataforma do blog. Pois a empresa que desenvolveu o programa acaba de recolocar no ar uma ferramenta que, antes, não lhe pertencia: o Intense Debate, que é uma ferramenta para os comentários, permitindo que haja, realmente, um debate intenso a partir deles, já que os leitores podem não só opinar sobre o artigo, mas sobre o que outros leitores comentaram.

Participar é muito simples: Observe que ao final dos comentários existe um pequeno Ícone Post a reply. Clicando nele, abre-se uma Área para um novo comentário, permitindo a troca de opinião entre os leitores. E tudo o que é comentado depois é agregado pelo Intenso Debate. O programa tem inúmeras ferramentas, infelizmente, ainda em inglês. Quem se cadastrar tem os seus comentários seguidos e vai ganhando autoridade na medida em que eles aumentam.

Dêm uma olhada. Eu achei interessante e por isso estou usando.

Compartilhe:

Twitter
Facebook
LinkedIn
Pinterest

10 Respostas

Entre na conversa