DO OUTRO LADO DA NOITE

pcosta1.jpg

Nem sempre morei à beira mar. Houve um tempo em que a praia ficava longe, bem longe. E só era visitada, quando era, uma vez por ano. Menino do interior, o sonho de ouvir a onda quebrar era isso mesmo, um sonho. Depois, muito mais tarde, ele se realizou. Mas, agora, o que importa é o mar e o que ele nos oferece. E uma das coisas são belas histórias, quase sempre contadas por quem não estava próximo dele.

É este o caso de alguém que, depois, se tornou muito próxima. Um dia, passando à beira praia no início do anoitecer e olhando mais ao longo, via-se os navios que aguardavam vez no porto que começavam a acender suas luzes. Vendo a cena, que se repete diariamente, não é fácil imaginar o que alguém de fora da praia poderia pensar, principalmente se chegasse à noite e, do outro lado, visse a iluminação.

– Criança, que vinha à praia uma vez ao ano, ficava intrigada com as luzes que só via à noite, da praia. E ficava pensando o que poderia ser. Na minha imaginação, eram cidades. Mas muito estranho porque, de dia, elas sumiam. E à noite, voltavam, estavam lá, iluminadas, como as pequenas cidades do interior.

– Mas você não via os navios durante o dia? Não imaginava que eram eles que estavam iluminados à noite?

– Não. Nunca pensei isso. Para mim – e para os meus irmãos – o que víamos eram cidades, que ficavam distantes, do outro lado da noite. E que só víamos por estarem iluminadas. Quando o dia chegava, as luzes se apagavam e as cidades sumiam.

Na imaginação, a cidade estava lá e só se relevava à noite. Mais tarde, já entendendo o que ocorria, a mística da cidade do outro lado da noite foi embora. Mas ficou a imagem, guardada por uma criança que não estava habituada ao mar. O mesmo tipo de criança que molha a mão e depois a coloca na boca para ver se a água é realmente salgada.

Quem já nasceu à beira mar, não sabe o encantamento que a praia exerce sobre adultos e crianças. E tenho certeza que cada um de nós, que viemos de locais distantes do mar, temos histórias para contar, sobretudo com o nosso primeiro contato com este mundão de água.

A história da cidade do outro lado da noite é apenas uma delas. E você, tem alguma história com o mar e com a praia? Como foi sua primeira experiência na água salgada?

Compartilhe:

Twitter
Facebook
LinkedIn
Pinterest

10 Respostas

Entre na conversa