DIVERSIDADE E DIREITOS HUMANOS

selodh01

Olhe para o lado? O que você vê?

Se estiver no Brasil, na certa alguém diferente de você próprio. A verdade é que não somos iguais. O mundo se constrói com diferenças, não com igualdades e é essa diversidade que o torna atraente. Pessoas são diferentes. Lugares, também. As culturas, o modo de viver, o sentir, o comportar-se, a cor da pele, a religião, os gostos, tudo aponta para a diferença.

Se somos diferentes, temos, no entanto, algumas coisas em comum. A primeira delas é que estamos todos presos ao mesmo planeta, embora em espaços diferentes. E isso nos leva a uma primeira reflexão: só temos um mondo. E, nele, uma única chance de o manter para nós mesmos e para futuras gerações. Esta é a grande base comum que une toda a humanidade, a preservação do planeta e, nele, o habitat para o homem.

Temos, também, uma só vida. E isso é ainda mais verdadeiro em relação ao homem. Cada um de nós carrega uma carga genética que nos aproxima, apesar das identidades multifacetadas, dos parâmetros culturais, dos credos, dos gostos, da própria vida. E esta é uma vida curta. Então, por que não vivê-la em harmonia. E essa harmonia se dá não só em relação ao planeta, que precisamos preservar, mas e principalmente em relação aos nossos semelhantes.

Um mundo, uma vida então não significa que todos tenhamos de ser iguais, ter as mesmas crenças, adotar os mesmos padres culturais. Significa, sim, respeitar a diversidade, saber que existem diferenças, que não temos as mesmas crenças, os mesmos gostos, dizer não a padronização, respeitar o espaço do outro e reconhecer que ele tem tanto direito como nós de defender aquilo em que acredita.

Só apostando na diversidade, que provoca o entendimento, premia a comunicação e obriga à coabitação é que teremos, verdadeiramente, um mundo onde os direitos humanos sejam para todos. Coabitar – e somos levados compulsoriamente a isso – significa, no final, respeitar os espaços, as crenças e a cultura do outro. Saber que ele é diferente, mas que, no fundo da diferença existe um ser humano, que é igual a todos nós.

Brancos, negros, amarelos, pardos, índios, nórdicos, africanos, asiáticos, brasileiros ou latino-americanos somos, no final, todos homens. E temos todos a mesma carga de DNA. É sobre uma base comum, que alia identidade e diversidade, que podemos construir um mundo mais justo, respeitando o que o outro é, faz e pensa. E assim, coabitar o planeta, construindo desde já uma utopia que é a busca da paz, do respeito à diversidade e do reconhecimento que somos únicos.

Só a partir do reconhecimento da diversidade, que é baseada em uma igualdade – a de sermos, antes de tudo, seres humanos – é que podemos construir um mundo mais justo. E nele, construirmos, também, uma base para os direitos humanos, calcado na coabitação, que respeita diferentes, mas ressalta identidades. Aliás, bem dentro da proposta do Sam, de Direitos Humanos, Um mundo, Uma vida.

Com tolerância, com entendimento, com respeito vamos, na certa, fazer com que tenhamos um mundo, uma vida. E ao fazê-lo estaremos destacando o respeito aos direitos humanos, que é o direito de o outro ser diferente de nós.

TINTA, CANETA, ARTE

Já imaginou uma pintura, uma paisagem, feita risquinho por risquinho com uma caneta? Não precisa imaginar, mas é o que o Dácio, um amigo blogueiro, faz. E não só faz, mas expõe parte de sua produção no Arte e Manhas, um site cultural que expõe pinturas, mas fala, também, de muito mais.

Acho que vale a pena uma visita, ver as pinturas do Dácio e dar um voto a ele, que está concorrendo com outras 54. O trabalho, além de belo, mostra uma técnica impecável e você só sabe que foi feito a bico de pena porque ele o disse e eu estou repetindo aqui.

Então, o que está esperando? Vá lá apreciar as pinturas e dar o seu voto para o Dácio.

Compartilhe:

Twitter
Facebook
LinkedIn
Pinterest

34 Respostas

Entre na conversa