CONSUMO OU SUSTENTABILIDADE?

O que se pode fazer para que uma parte do mundo pare de desperdiçar e, com isso, a outra possa comer? Este é o dilema que vivemos nos dias de hoje. Se de um lado temos um mundo de obesos, do outro, temos gente passando fome. E não são poucos, não. A questão é mais relevante quando olhada do lado da sustentabilidade do planeta, que já não dispõe de tantas áreas capazes de produzir os alimentos que os seus habitantes, em todos os continentes, necessitam. Então, o que fazer?

Um dos caminhos, como proposto na blogagem coletiva coordenada pela Cybele Meyer, é partirmos para o “consumo sustentável”. significando, pelo menos no meu entendimento, uma racionalização do consumo, o que implica, em primeiro lugar, controlar o desperdício, um dos maiores fatores para a falta de alimentos. No Brasil, por exemplo, 40% de toda a comida produzida é desperdiçada. Imagine quantas pessoas poderiam ser alimentadas se se perdesse menos. Neste caso, a questão não é o consumo, já que o produzido não chega ao supermercado ou ao mercado. E a perda, no final, acaba encarecendo a comida, pois pagamos o que foi perdido.

A questão, se está alinhada à perda, traz, também, outras implicações. E se olharmos bem, uma delas é o próprio consumo. Erigimos uma “economia do consumo”, baseada no descartável, no supérfluo. Comprar tornou-se uma obrigação, consumir, uma necessidade. Temos, pelo menos em relação a uma parcela da população, muito mais do que precisamos. Alguém precisa, por exemplo, trocar de carro todos os anos? É claro que não, mas muito o fazem, acompanhando as mudanças de modelo ou o lançamento de um novo. E isso se repete em vários campos, indo do calçado à roupa, que gira de acordo com a moda e ela é feita somente para vender. Como muito bem lembrou Manuel Castells a cidadania está associada ao consumo. E se isso ocorre mesmo, podemos perguntar: Consumo ou sustentabilidade?

Será que os dois são compatíveis? Seguramente podemos ter uma vida mais simples, com um consumo que exija menos do mundo, ampliando sua sustentabilidade. Mas mesmo assim o consumo continuará a exigir do planeta. No atual estágio em que nos encontramos, acabar com o consumo é impensável, pois teríamos de mudar todo o modelo econômico, fazendo com que o ser tenha o primado, que hoje é do ter. Como não conseguiremos colocar o mundo de ponta cabeça – acabando com o consumo, como o conhecemos – a única maneira que temos é o de adotar o consumo consciente, que começa por se evitar o desperdício, passa pelo controle do que temos e chega ao próprio tipo de cultivo e de processamento.

Se quisermos ter, mesmo, sustentabilidade precisamos começar agora. E precisamos começar dentro de casa, na nossa família, com nossos filhos, ensinando-os que o ter não é mais importante que o ser. E que o planeta precisa que sejamos responsáveis, até como uma garantia que os nossos netos terão um espaço para viverem. Aqui – como em tudo na vida – a educação é fundamental. É através dela – em casa e nas escolas – que podemos conscientizar para este novo tipo de consumo, que pode atender ao desejo do cidadão, mas que dele levar em conta também a saúde do planeta.

Respondendo à questão do título, acho que sim, podemos ter consumo e sustentabilidade. Basta que cada um seja mais responsável, mais comedido, evite desperdício, consuma só o necessário e adote uma nova postura que impulsione outros a adotar o mesmo caminho. Eu já comecei a fazer isso. E você, quando é que vai começar? Que seja agora, pois isso fará, não tenha dúvida, diferença.

Compartilhe:

Twitter
Facebook
LinkedIn
Pinterest

7 Respostas

Entre na conversa