COISAS ESPERTAS SOBRE GENOMA

genoma.jpg

O noticiário sobre estudos genômicos, genomas, engenharia genética e tudo o mais que se relaciona ao assunto tem sido uma constante nos jornais, rádio, TVs, enfim, na mídia de um modo geral. Sabemos (?) as últimas descobertas e vemos que, no futuro, estaremos livres de todas as doenças. Afinal, já se descobriu genes para tudo, inclusive para comportamentos que não são explicáveis, ou não.

Neste espírito, é bom perguntar: Afinal, o que existe, verdadeiramente, sobre genética e genomas? A Wired – todos sabem, é uma revista geek, voltada para tecnologia – resolver responder. Veja o resultado:

  • 1 – O real benefício do estudo dos genomas é que ele nos ensinou como sabemos pouco. Alguns genes que, antes, segundo os cientistas não tinham função, hoje tem, e carregam instruções para o DNA.
  • 2 – A abordagem dos estudiosos do genoma ficou mais holística, abrangendo, por isso, vários outros aspectos que, antes, não eram levados em conta. O estudo se abriu em vários campos.
  • 3 – Os genes importantes existem em múltiplas cópias para o caso de um ser danificado. Isto resultado em que muitos foram deixados para trás, desativados pela árvore evolucionária. Exemplo: Pássaros tem genes para dentes. Humanos e gorilas tem genes idênticos.

O que isso prova? Como bem lembra a Wired, que pouco sabemos sobre nós mesmos. Aliás, pouco sabemos sobre o mundo, sobre as coisas, sobre o que somos ou sobre o ambiente que vivemos. Aqui, tal como o sábio seria bom pararmos e dizer: Só sei que não sei.

AS NOVAS PALAVRAS

Ainda a Wired tem uma secção bem interessante que, em inglês, se chama Jargon Watch – que poderia ser traduzida como “De Olho nos Jargões” – e é em um de seus últimos números que a revista antecipa duas palavras que, dentro de mais algum tempo, se tornarão comuns:

  • Microbesoft
Nome derivado do Genoma Sintético desenvolvido pelo cientista J. Craig Venter, que recentemente pediu patente para um novo organismo, Mycoplasma laboratorium – a primeira bactéria artificia. Microbesoft seria, então, um micróbio criado pelo homem.
  • Geosniff
Procurar na Web por localidade, conseguindo informação regional pertinente, principalmente relacionando os usuários com publicidade local. O Geo, neste caso, é de Terra, localização. E o sniff, de cheirar, procurar.

Bom, agora que sabemos das novas palavras podemos começar a usá-las, mostrando que estamos antenados com o mundo da tecnologia e da ciência.

Compartilhe:

Twitter
Facebook
LinkedIn
Pinterest

26 Respostas

Entre na conversa