AS MARCAS DE SUA CONFIANÇA

confia.jpg

Há algum tempo o Ibope fez uma pesquisa em várias regiões do Brasil para apontar quais são as marcas vendidas no Brasil em que o brasileiro mais confia. A lista, como não poderia deixar de ser, é bem grande, já que cobre praticamente todos os campos, indo do creme dental preferido ao plano de saúde que tem maior credibilidade.

Descobri a pesquisa por um acaso e achei que o assunto, por ser interessante, poderia virar uma pesquisa, aqui no blog. Só que, como são muitos itens, resolvi que o critério para listar os participantes seria de aprovação igual ou superior a 50% da marca pelos entrevistados do Ibope. Quais os índices? Não vou dar. Eles serviram, apenas, como referência.

O que proponho é que se escolha, entre as listadas, qual é a marca que tem maior credibilidade. A votação, como nas pesquisas anteriores, será feita durante 15 dias. No final, vou comparar os percentuais de cada marca com os resultados obtidos pelo Ibope.

Ah, diferente das pesquisas anteriores, aqui você pode escolher mais de uma marca. O único problema é que terá votar em uma de cada vez. Como o objetivo não é escolher a mais confiável e sim as mais confiáveis, vale o voto múltiplo.

Então, dê uma olhada na barra lateral, escolha uma opção e vote. Além disso, deixe um comentário falando sobre sua escolha.

A MAIORIA CONDENA

ethics1.jpgA questão que os leitores do blog acham mais eticamente negativa é o suicídio assistido, que também é chamado de eutanásia, com 30% do total de votos. Em segundo lugar, muito próximo, vem a pena de morte, com 27%. O argumento, nos dois casos, é o mesmo: ninguém tem o direito de tirar a vida do outro

O terceiro item mais votado, com uma reação no final, foi a clonagem humana, com 21% do total. Os testes com animais, em terceiro lugar durante um bom tempo, acabou caindo, ficando em quarto, com 19%. A pesquisa completa está aqui em O que é eticamente condenável.

Um ótimo final de semana para todos.

Compartilhe:

Twitter
Facebook
LinkedIn
Pinterest

31 Respostas

Entre na conversa