CONFIANÇA E DESCONFIANÇA

Acho que estou me tornando meio maníaco por pesquisas. Tenho andado pela Internet à procura de números que mostrem algo interessante e, muitas vezes, os tenho encontrado.

É o caso, por exemplo, da pesquisa feita pela Futura, do Espírito Santo, envolvendo a credibilidade das profissões.

Dois dados me interessam. O primeiro, relacionado aos professores – área que sou um cristão novo. O segundo, sobre os políticos.

Os professores tem uma grande credibilidade, o que só lhes acrescenta responsabilidades. A confiança neles depositada é muito alta, o que representa a importância que a população dá ao ensino.

Pena que esta importância não seja a mesma dada pelo Estado. Se fosse, os professores teriam condições de exercitar melhor o seu mister, ajudando ainda mais na formação dos brasileiros e garantindo-lhes, assim, um melhor futuro.

Os políticos, de outro lado, e como todos sabemos, estão em absoluta baixa. Chegaram mesmo ao fundo do poço.

Acho que, neste caso, a desaprovação que marca os políticos atinge muita gente que é séria. O pior é a possibilidade deste descrédito se transferir para as instituições.

É curioso observar, também, que enquanto categoria os políticos são muito mal avaliados. Mas quando se trata de avaliar os líderes, individualmente, esta postura muda.

Veja-se o caso do governador Paulo Hartung, no Espírito Santo, que tem um alto í­ndice de aprovação. E ele faz política desde a época da universidade.

É o caso, também, do presidente Lula. Apesar dos inúmeros escândalos, ele continua com boa aprovação.

Os números, neste caso, são emblemáticos, com a população aprovando os professores e desaprovando os políticos.

Será que se perguntássemos se aprovam a escola a resposta seria a mesma?

É uma questão interessante, sem dúvida, mas para a qual não tenho resposta.

Compartilhe:

Share on twitter
Twitter
Share on facebook
Facebook
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Comentários estão encerrado.