O DESEJO DE PERFEIÇÃO

Você é mulher? É magra? Jovem? Bonita? Branca? E loura?. Não? Na verdade, se as respostas foram negativas, você está entre as 90% das brasileiras que não têm essa caraterísticas. E isso deveria deixá-la feliz. O que ocorre, no entanto, quando se trata das mulheres, como aponta a pesquisadora Rachel Moreno, é que por não se enquadrarem no padrão de beleza que lhes é vendido todos os dias, elas estão, para dizer o mínimo, inadaptadas, buscando algo que não irão conseguir e fazendo sacrifícios que, em outras circunstâncias, não seriam necessários.

O que acontece? De acordo com a pesquisadora, a mídia e a propaganda vendem um ideal de beleza que só é atingível por poucas, criando um desejo de mudança, de adaptação a ele e levando ao consumo de vários itens que são destinados a tornar a mulher mais próximas desse ideal. É o caso da ginástica. Não que seja prejudicial, mas como tudo deve ser praticada com moderação, olhando-se o lado da saúde, não o da estética. É o que ocorre, também, com a cirurgia plástica cosmética, onde a mulher busca a mudança – e o enquadramento no padrão de beleza – que não consegue por meios naturais.

A institucionalização de um padrão de beleza que nada tem a ver com o grosso da população cria um “desejo de perfeição” e ele não contribui, em nada, para que a mulher se sinta adaptada, feliz. Ah, e esta situação não ocorre só no Brasil, não. Uma pesquisa feita pela Dove com 3.300 garotas e mulheres entre 15 e 64 anos no Brasil, Canadá, China, Alemanha, Itália, Japão, México, Arábia Saudita, Reino Unido e Estados Unidos da América, mostra que a situação ocorre lá fora também. O interessante é que o padrão não é o mesmo em todos os lugares. Se aqui a “mulher padrão” tem de ser bonita, magra, jovem, branca e loura, na Europa, por exemplo, ela tem de ser morena. A mudança, segundo Rachel Moreno, se dá para que este padrão não seja atingido pela maioria, criando um vasto mercado para os produtos que poderia levar a ele.

A pesquisa da Dove, chamada de “Além dos Estereótipos: Reconstruindo os fundamentos das crenças sobre beleza”, mostra que  do total das entrevistadas 90% das mulheres entre 15 e 64 no mundo inteiro querem mudar pelo menos um aspecto da sua aparência física, sendo que o peso é o primeiro no ranking. E outras 67% das mulheres entre 15 e 64 evitam atividades sociais por se sentirem mal com sua aparência, como por exemplo, expressar uma opinião em público, ir à escola, ir ao médico.

O que acontece é a mulher, por não se enquadrar no padrão de beleza que lhe é vendido, viver permanentemente infeliz e procurando se enquadrar, de todos os modos, nele. Com isso acaba esquecendo a sua própria beleza, o que tem de único e que poderia torná-la melhor e feliz. Não sei de há uma pesquisa falando sobre o padrão de beleza masculino. O que sei, pelas conversas e pelo que tenho lido, é que nós, os homens, não achamos que haja um único padrão para as mulheres. Elas não precisam ser brancas para serem bonitas, tampouco precisam ser louras. No caso do Brasil, um país miscigenado, vemos belezas de todos os matizes.

E se do ponto de vista masculino a diversidade é bem vinda, por que as mulheres se preocupam tanto? Não sei e a pesquisa ou a pesquisadora apontam. O que constatam é que a busca desse padrão pode baixar a autoestima e isso traz consequências, sendo uma delas a infelicidade e a insegurança. Ao lado delas, vem o estímulo ao consumo, exatamente de produtos voltados para o atendimento do padrão. Forma-se, então, um círculo vicioso, ampliando o desejo de perfeição, que nunca é atingido.

JOVENS QUE PENSAM

pensar

Juventude não é uma questão de idade, mas de espírito. E pensar é fundamental em todos os momentos da vida. Talvez por ter esta crença – e a colocar no blog – é que acabou de ser premiado, pelo Fernando, do Nothingandall, com o Manifesto Jovens Que Pensam e estou em ótimas companhias. Como sempre tenho dito em oportunidades como esta, fico muito feliz com a premiação até por não ser – pelo menos na idade – tão jovem assim, considerando-a um reconhecimento ao que este blog procura ser. Muito obrigado, Fernando.

E agora vem a parte mais difícil, que é indicar outros blogs que mereçam o prêmio. Para isso dei uma olhada na minha lista de Links e, dela, escolhi alguns. Aqui vão eles: Luz de Luma, Apoio Fraterno, Focus Mode, Chronicles and Tales, Fênix Ad Aeternum,Universo Desconexo, Fábio Mayer, Ramsés Sec XXI, Cirilo Veloso e Antigas Ternuras. Ufa, consegui.

Agora, de acordo com as regras – que vem desde o início do meme – cada indicado deve replicar a indicação com mais 10 indicados, colar o selo no post indicativo, avisar seus indicados e publicar as regras de participação. Está feito. E vamos em frente.

Compartilhe o Post

Sobre o Autor

Jornalista, blogueiro e curioso, sempre disposto a aprender.

Conversas (6)

  1. Dora :

    Oi, Lino. Percebo hoje em dia esse “culto” e essa veneração pela beleza feminina, idealizada pela mídia! E tenho pena dos sacrifícios das mulheres que não se enquadram nos padrões preconizados…Elas sofrem com dietas, bisturis, medicamentos, etc. Não sou contra a busca por uma aparência bonita e interessante, mas, há que se ter um mínimo de equilíbrio para essa busca.
    Eu sempre fui do tipo “magro” e até hoje engordei pouco com a passagem dos anos. Mas, o meu objeto de desejo era o da altura…rs Queria ser alta! Mas, como é a única intervenção praticamente impossível (a não ser o uso dos saltos altos), reclamei todo o tempo dos meus 1,52m!!!
    Com o resto dos “quesitos”, sempre me dei bem comigo mesma. Oba!
    Beijos para você e parabéns pelo seu prêmio. Seu blog merece!!!!!!!!!
    Dora

  2. DO :

    Infelizmente eu tenho que concordar com a pesquisa,LINO. Acho que todos nós temos exemplos bem próximos,quando não dentro de casa,rsss.
    Minha sobrinha,de apenas 5 anos,já tem uma preocupação com sua aprencia que me deixa muito bobo. Como que pode?? Será algum gene dentro do sexo feminino??
    Vai saber!!

    Muito obrigado pela lembrança e sinceras felicitações pelo prêmio.

    Abraços!

  3. Marcelo :

    Lino, acho que a questão da beleza é o inatingivel que vende…os meus amigos paraguaios adoram loiras pq lá tem poucas…o meu tipo aqui onde moro é pouco valorizado pela produção em larga escala enquanto em outras cidades isso muda bastante…Estela uma amiga me disse que na Alemanha eu faria um vendaval com o meu tipo…Danuza Leão outro dia disse que se bem os estilistas soubessem fariam roupas para os fora dos padrões pq venderiam bem mais…enfim vai ser sempre assim…todo mundo em busca do inatingivel…Fernanda Montenegro diz que quando as mulheres eram mignons ela era magrinha…quando ela se tornou mignon as mulheres passaram a ser cultuadas magrinhas…o culto tambem já tá tendo a versão masculina…todos iguais muito braço, ombro e uma tatuagem num mesmo lugar do braço, mesmo cabelo e mesma pose na foto …lobão disse” decadence avec elegance” por aê….

    abraços e parabéns pelo premio!

  4. Marcelo :

    ah tem mais, agente bem que olha pros padrões …só não admitimos…”that’s all folks”

  5. fina flor :

    É, Lino, é muito triste, isso….. Esses dias mesmo eu estava pensando como essas questões afetam a vida das mulheres…. Até me puni um pouco por falar mal de algumas delas, em meus textos às vezes, pois cheguei à conclusão que para mim a vida é simples, pois a genética me ajudou bastante [ não sou loira, mas sou magra, jovem, bonita, rs*] e por isso tenho tempo para pensar em outras coisas e não me prender nessa camisa de força da busca da perfeição, enfim……

    beijos e boa semana

    MM.

  6. Cirilo Veloso Moraes :

    Publiquei lá no blog, lino, o “Jovens que pensam”.

    Abração.

Entre na Conversa

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *