Afinal, livro é fundamental?

por Lino Resende em 08/fev/2008

books.jpgFui apresentado aos livros ainda bem cedo, quando criança, e nunca mais me afastei deles. Durante algum tempo li coisas que não conseguia entender, o que só ocorreu mais tarde. O fato é que, a partir dessa apresentação, nunca mais me separei deles. Talvez não seja pecado admitir que sou um bom leitor e durante os anos da minha vida já li uma quantidade apreciável de livros.

E estas leituras, dirigidas de princípio, acabaram se diversificando, abrangendo os mais variados assuntos, sobretudo alguns que me interessam mais de perto: política, comunicação, policiais, ficção científica, ciência, filosofia e por aí vai. Admito que não sou um leitor na média, mesmo para quem é um bom leitor. Mas tenho orgulho de afirmar que os livros me proporcionaram várias coisas, começando pelo aprendizado. Afinal, como disse o meu primeiro amigo, mestre e professor da área de jornalismo, ler é fundamental.

Por pensar assim, fiquei assustado com alguns números reproduzidos pelo Le Monde Diplomatique a partir de dados do IBGE. Cito: “E o Brasil é um país de não-leitores. Claro: somos um país de não-estudantes. Em 2002, um quarto da população brasileira com mais de 10 anos de idade tinha menos de quatro anos de estudos completos: 32 milhões de analfabetos funcionais. No mesmo ano, as pessoas de mais de 10 anos de idade morando no Brasil tinham, em média, 6,2 anos de estudo. Estatisticamente, o brasileiro não estuda, e quem não estuda não lê“.

A discussão se prende a um aspecto do mercado de livros, com alguns defendendo que a leitura irá aumentar se os livros se tornarem mais baratos. O que o artigo mostra é que não há leitores se não houver educação, mesmo que se barateiem as edições de boas obras. E cita o caso dos Estados Unidos e da Inglaterra, onde os livros estão se tornando mais baratos devido ao maior número de leitores. O que barateia o livro é a quantidade que é vendida e isso depende, basicamente, do número de leitores.

Se quisermos ver a multiplicação dos livros e da leitura teremos, então e primeiro, de educar a população. E só vamos conseguir isso quando as crianças ficarem na escola, completarem um ciclo de estudos capaz de lhes proporcionar senso crítico e o desejo de aprender. Hoje, temos um sexto da população de analfabetos funcionais. E temos um número talvez ainda maior que, mesmo passando pelos bancos escolares, têm dificuldades com a leitura.

Minha pequena experiência com o ensino universitário me mostrou isso. Tive alunos incapazes de articular duas frases que fizessem sentido. E que nunca tinham lido um livro inteiro. E eles tinham passado pelo ensino fundamental, pelo médio e iam chegar ao final do ensino superior com a mesma deficiência. Culpa deles? Talvez um pouco. Mas o principal responsável é o sistema de ensino. E no Brasil, todos sabemos, educação não é prioridade.

Digamos que, olhando a questão do ponto de vista otimista, podemos dizer que vai mudar e que as novas gerações serão diferentes. Olhando-a do lado realista, constatamos que vivemos no meio de milhões de analfabetos, mesmo tendo passado pela escola. Para estes não há mais salvação. Infelizmente.

QUEM VAI GANHAR O OSCAR?

oscar.jpgEsta é a pergunta da pesquisa ativa no blog. A idéia é que, entre os indicados para melhor ator, os leitores escolham quem é que vai ganhar o Oscar. Depois, a gente checa de houve acerto ou não. A lista com os nomes está na barra lateral e é só ir até lá, clicar em um nome e pronto.

A votação até agora está morna e Tommy Lee Jones e Johnny Deep é que estão na disputa. O primeiro, vi nesta semana, mas não no filme em que concorre, e a atuação é muito boa, o que não permite um julgamento. Gostei da atuação de George Clooney, outro dos indicados. No meu caso, falta ver, ainda, as atuações dos outros atores, mas, mesmo assim, arrisco-me a dizer que Tommy Lee será o premiado.

E você, qual é o seu favorito? Vamos lá votar e deixar um comentário explicando a escolha.

Um bom final de semana para todos nós.

Related Posts with Thumbnails
Seja Social, Compartilhe!

{ 29 conversas }

Renato fevereiro 8, 2008 às 10:15 am

É muito triste pensar nisso, tantas pessoas que não tem conhecimento de uma boa leitura, menos ainda possibilidade de um estudo descente, mas o governo mantém o ensino fraco pois um povo inteligente tem mais possibilidade de pensar em seus votos, então um estudo deficiente funciona como um cabresto e você poderá jogar a população para o lado que desejar, mas ai estão os resultados de tal cabresto.
Bom, espero que meus filhos ou netos possam ter algum dia um estudo descente de modo não particular.
Quanto ao oscar, vou dar um chute, mas não entendo muito de quem ganha ou não ganha o oscar…hahahha
Bom final de semana para todos nós

barbara fevereiro 8, 2008 às 10:45 am

Oi meu caro – desta vez não vou participar da pesquisa por um siomples fato – não conheço nenhum filme indicado, 0lha que coisa? Mas ficarei acompanhando. Sobre o texto dos livros – infelizmente é assim, num país onde não há educação – leitores de livros então… bj

Lys fevereiro 8, 2008 às 11:35 am

Isso eh realmente de deixar triste ne nao Lino ? Se os precos baixarem vai ajudar bastante, mas como voce disse eh uma questao de educacao. Se nao ensinamos nossos filhos ler eles nao vao ler mesmo.

Eu tenho uma historia interessante. Minha mae sempre foi bem humilde e com pouca educacao mas tinha em sua cabeca que ler e estudar era importante. A coitada caia no conto de todo vendedor de livros e enciclopedias que batia na porta de casa. Pagava os livros em suadas prestacoes a base das costuras que fazia. Por conta dessa mania da minha mae, quando crianca ganhamos a colecao completa do Monteiro Lobato, alem de varias enciclopedias e colecoes de varios autores brasileiros. Classicos que minha mae nao tinha a menor ideia de quao importante eram para nossa formacao.

Nao digo que sou um exemplo de cultura e inteligencia, mas meu amigo, saindo de onde eu sai acho que minha mae acertou em cheiro em investir e acreditar nos vendedores de livros viu ?

Falando em ler, o que voce esta achando do Clube do Livro ? Esta satisfeito ou gostaria de mudar algo daqui para frente ?

bjs
Lys

Mário fevereiro 8, 2008 às 11:43 am

Pois é, Lino. Há poucos estudantes e ínfimos leitores. Por isso que acredito que uma mudança efetiva só ocorrerá ao longo do tempo e necessariamente passando pela base do sistema educacional. Além disso, temos que convir que livros são caros e poucas as bibliotecas públicas. Forte Abraço.

Fábio Max fevereiro 8, 2008 às 12:19 pm

Li esses dias num portal da internet, que um dos heróis nacionais, integrante do BBB, declarou que “graças a Deus nunca leu um livro” ou coisa parecida.

Junte o mal exemplo do ameba global + as péssimas escolas públicas e privadas + a falta de incentivo cultural, e temos esse quadro que você descreveu. Ninguém lê bons livros, porque eles são classificados como “chatos”, o que explica que as revistas de maior circulação em banca sejam Caras, Contigo e TiTiTi, basicamente porque não têm texto!

O jornal do meu pai, aqui em Rio Branco do Sul, recebeu uma reclamação de leitores que achavam que os textos estavam muito compridos. Os mesmos leitores capazes de ficar 6, 7, 10 horas enchendo a cara no boteco, reclamando que não tem tempo para ler mais de 120 palavras numa matéria.

Esyath Barret fevereiro 8, 2008 às 1:11 pm

Eu daria ao Jonnhy Depp! Ele é uma ator brilhante, de múltiplas performances…
Quanto a ler… acredito que nada abre mais a mente e nos ajuda a conhecermos melhor a nós mesmos e a humanidade de um modo geral, do que através da leitura… O senso crítico aprimora… e nós amadurecemos…

Abraços (Des)conexos!;)

Chuvinha fevereiro 8, 2008 às 2:24 pm

O preco dos livros e apenas uma desculpa para os nao leitores porque na verdade TUDOesta caro e a gente continua comprando cds,dvds,etc,etc,etc…( roupas de marca nem se fala! Nossos jovens pagam o preco e choram o valor de um livro) E questao de EDUCACAO? E.

Nanda fevereiro 8, 2008 às 2:40 pm

Sim, o livro é fundamental. Aliás, vivemos nessa eterna ilusão de país do futuro porque a leitura e a educação não são incentivados. Bom final de semana!

Betho Sides fevereiro 8, 2008 às 3:10 pm

Infelismente país de não leitores, por ser de não estudantes e de não governantes…George Clooney. abçs bom final de semana.

tati sabino fevereiro 8, 2008 às 4:11 pm

e muitos que tem oportunidade de estudar (em bons colegios até) e de gastar com bons livros tbm, simplesmente não gostam de ler!!! Conheço tantos que me perguntam: “Porque vc perde tempo lendo esse livro aí?”
bjo Lino!

MUTUMUTUM fevereiro 8, 2008 às 4:20 pm

Claro que livros são importantes… eu, advogado e concurseiro, que o diga!!! Mas a realidade é essa mesma: o Brasil é um país desprovido de estudantes e leitores. Pena! Ler um bom livro proporciona prazer que não se mensura.

Qto ao OSCAR, tow torcendo pro Johnny Depp! Esse cara é o melhor. Mas gostaria mto q Heath Ledger fosse lembrado na festa… um puta ator, q morreu tão prematuramente, de forma tão estranha…

Abraços o/

Lulu on the sky fevereiro 8, 2008 às 7:40 pm

Livro é essencial. Já estou no 5º livro do ano, e cada vez q termino um já fico na ansiedade de ler outros.
Qto ao Oscar.. quero o Depp melhor ator.
Big Beijos :)

Cidão fevereiro 8, 2008 às 9:47 pm

Livros são fundamentais.
Quanto ao oscar… Depp, Depp, Depp!!!!!

soninha fevereiro 8, 2008 às 10:31 pm

Boa noite Lino!Nossa eu amo livros!leio varios durante o ano!!Andei sumida, pois estava com problemas familiares, mas agora estou de volta!!!

“Gosto de gente…
Gente que ama e curte saudade, gosta de amigos,
cultiva flores,ama os animais.
Admira paisagens, poeira e chuva.
Gente que tem tempo para sorrir bondade,
semear perdão, repartir ternuras,
compartilhar vivências e
dar espaço para as emoções dentro de si,
emoções que fluem naturalmente de dentro de seu ser!”

Gosto de gente…
assim como VOCÊ!!!…
Beijo grande!Bom fim de semana!!

grace olsson fevereiro 9, 2008 às 10:53 am

Lino, querido, sobre o filme, nada tenho a opinar. Sou mais chegada a livros do que filmes.
Eu leio desde criança. Comecei pelas bulas de remédios. E pelos jornais que vinham envoltos nas barras de sabão que minha mãe comprava.
Quanto ao comentário do Fábio, eu lembrei de algo:eu estudei com um rapaz que comprou apenas um livro em todo o curso de Direito. E isso por que eu estava vindo para a Suécia(1a fase) e ofereci por um preço bom, o CÓDIGO DE DIREITO PENAL COMENTADO.
Até hoje, Lino, ainda não entendi como esse rapaz conseguiu se formar. Mesmo com a qualidade que tinha de resumir folhas em algumas linhas.
Creio que a chave de tudo deve está no investimento maciço na educação.
Bfsemana

Claudinha fevereiro 9, 2008 às 6:58 pm

Olá Lino!
Ah que grande verdade… Eu, cuja veia literária também foi despertada muito cedo, fico entristecida. Cheguei a falar com meu próprio filho que às vezes o considero semi-analfabeto. Esta linguagem, o miguxês internético vem desabar com a língua mãe. A minha caçula lê e escreve bem, eu leio 2 a 3 livros de uma vez, sempre. Ler é imprescindível! Tenho procurado fazer meus alunos lerem, trabalhando com notícias de ciências e descobertas e pedindo relatórios, mas sai cada coisa…
* Sobre a votação, desta vez não poderei votar por não ter visto nenhum dos filmes indicados.
Um beijo!

Jens fevereiro 9, 2008 às 8:34 pm

Oi Lino.
Livros, claro, são fundametais para a formação do ser humano. Além das dificuldades inerentes à precariedade da educação brasileira, seria de bom alvitre que os nossos educadores indicassem livros atrativos aos nossos leitores principiantes. Machado de Assis e José de Alencar, os primeiros que me indicaram, 500 anos atrás, são adequados para paladares refinados. Falo por experiência própria, quando os conheci, muito cedo, não gostei. Preferia as Aventuras de Tibicuera, do Érico, As Reinações de Narizinho, do Lobato, depois os romances de Jorge. Só maduro fui entender as sutilezas de Machado. Para ensinar o gosto pela leitura é preciso competência, gostar de ler. Eu sei. Ensinei minha filha.
***
Votei no Tommy Lee Jones. Os lobos uivam pela última vez.
Um abraço.

loba fevereiro 9, 2008 às 9:53 pm

Lino, seu post de hj trata de uma grande implicância minha. Como educadora, passei grande parte da vida tentando criar hábito de leitura em crianças e adolescentes. E acho que é preciso mais do que apenas manter as crianças na escola. Não é fácil competir com os apelos audio-visuais e com a informação massificada. Ainda mais numa cultura como a nossa, onde todos querem pegar atalhos para tudo. O importante é não desistir e cada um de nós, leitores conscientes, tratar de cooptar ao menos mais um para o grande prazer de viajar nos livros né?
Bom, tou de volta – outra vez. E disposta a voltar a ser uma blogueira de responsa, viu? rs…
Grande beijo procê, companheiro.

Magui fevereiro 10, 2008 às 12:50 am

A época que eu li demais era quando morava em Belo Horizonte onde tem excelentes bibliotecas públicas porque para um leitor voraz comprar livros é muito caro.
Estou por fora do Oscar.

Maria Augusta fevereiro 10, 2008 às 4:53 am

Lino, peguei o hábito de ler na escola, e meus pais sempre nos incentivaram a ler bastante. Mas sei que no Brasil isto está longe de ser uma prioridade para a população e os dirigentes não tem interesse em promover a educação, pois pessoas instruídas questionam, e dar explicações pode ser “embaraçoso” para eles, não é mesmo?
Abraços e bom domingo.
P.S. Não votei porque não vi os filmes concorrentes.

teresa fevereiro 10, 2008 às 6:24 am

lino, também sou uma leitora contumaz, e também lamento muuuuuuuuuuito o baixo nível de escolaridade/leitura do brasileiro. não é à toa que ipanema é o bairro carioca com a maior quantidade de livrarias. muito triste.

Marco fevereiro 10, 2008 às 10:09 am

Pois é, grande Lino. Preço do livro não é desculpa. Há coleções de clássicos que se pode comprar por um preço mais barato que um BigMac com fritas e coca-cola. O caso é de hábito mesmo. E não há estímulo nem de quem está por cima. Você consegue imaginar o Luiz Ignácio lendo, digamos, Monteiro Lobato?
Na sua pesquisa, votei no Daniel Day-Lewis, embora ainda não tenha chegado no Brasil o filme que ele fez. Mas é que todos os especialistas dizem que ele é o mais cotado.
Carpe Diem. Aproveite o dia e a vida.

ELISABETECUNHA fevereiro 10, 2008 às 2:14 pm

A cada dia que vivo, mais me convenço de que o desperdício da vida está no amor que não damos, nas forças que não usamos, na prudência egoísta que nada arrisca e que, esquivando-nos do sofrimento, perdemos também a felicidade.
Carlos Drummond de Andrade

Sergio fevereiro 10, 2008 às 5:34 pm

Olá, Lino!

Meu primeiro livro foi aos 10 anos. ´´As Aventuras de Robinson Crusoé“. Até discordo quando dizem que o brasileiro não gosta de ler. Trabalho muito no interior e vejo que mesmo os semi analfabetos gostariam de ler. O problema é acesso. Não se tem biblioteca grátis. Não há incentivo para isso.Alem do sistema de ensino nao ajudar, o valor ainda é distante da realidade. Veja que nos eventos há pelo menos o interesse da população, mas poucos conseguem tirar 40 reais em media para comprar um livro. Antigamente, havia o Circulo do Livro e fui sócio durante 12 anos. Era um modo legal, o livros era bons, capadura, e o preço , na epoca, era justo. Voce lembra?

Um abraço e boa semana

Sergio fevereiro 10, 2008 às 5:44 pm

Lino, votei no Daniel Day-Lewis, mas acho que o Johnny Depp levará o premio de melhor ator…sei lá, fiquei surpreso com ´´O Gangster`´ nao ter quase aparecido nas indicações.
Uma aposta para o melhor filme: ´´Conduta de Risco`´

abração

Dani fevereiro 10, 2008 às 6:47 pm

Lino, eh mto triste a situaçao!! Dia desses tava lendo a lista de compras que a menina que trabalha na minha escreveu… e nao da pra entender!!! Ela mal escreve, imagine ler!!!
Mas a culpa eh mto da forma de educar tb!! Me lembro q na escola quase nenhum dos meus amigos lia… nenhum professor estimulava isso!! No maximo eram alguns poucos livros obrigatorios (e chatos) durante o ano!! Adorei a escola do meu irmao quando o prof de portugues deu uma lista de livros que eles poderiam escolher pra ler, quem lesse mais teria mais pontos!!
A educaçao no Brasil precisa melhorar, e muito!!!
Beijos, Dani

Ed fevereiro 11, 2008 às 8:49 am

Olá Lino, como vai?

Eu também leio pouco, mas descordo de você em dizer que não há salvação para a galera que não teve oportunidades como as nossas. Enfim, nada é impossível para uma cabeça cheia de vontade. O saber é nato das pessoas, basta ter oportunidade de aprender e para isso nunca é tarde.

Bom, como sempre o blogue está cheio de novidades, fazia tempo que eu não vinha aqui.

Um abraço,

Yvone Pereira fevereiro 12, 2008 às 10:20 am

Afinal livro é fundamental?

Meu pai gostava de ler, assim cresci rodeada de livros sobre vários assuntos.
Havia muitos livros na minha casa. Mesmo antes de poder ler, eu sabia que eles guardavam historias e coisas tão fascinantes que, diante de um livro aberto, meu pai ficava totalmente absorto e a gente tinha que repetir o que estava perguntando, antes que ele conseguisse responder.
Muitas daquelas historias que ele me contava, ou às vezes lia para mim, resumia mostrando os personagens e situações nas figuras. Mas naquele tempo eu não achava que livros fossem nada de especial, fora do normal ou assustador. Para mim, eram apenas caixas de guardar historias tão interessantes quanto todas as que me cercavam o tempo todo, sem precisar de livro para ninguém contar. Todo mundo a minha volta gostava de falar e contar caso. Era só ouvir…
Com o passar dos anos, salvo algumas falhas na antena, continuo lendo e observando a tudo.
Quanto ao seu post sobre se os livros são fundamentais, prefiro deixar para que as novas gerações decidam o que vão fazer com toda essa informação. Mesmo “sabendo que estaticamente o brasileiro não estuda, e quem não estuda não lê”.
No próximo 08 de março, minha amiga Joyce está aproveitando a deixa.
Mulher brasileira em primeiro lugar
O Dia Internacional da Mulher é celebrado em todo mundo como um lembrete à reflexão sobre a desigualdade de oportunidades entre os gêneros, coisa ainda remanescente em nossa sociedade. “E, quanto mais estimulada for essa reflexão, mais nos aproximaremos dos ideais de paz e justiça que, como seres civilizados, tanto almejamos”. Palavras de uma grande amiga cearense arretada Joyce Cavalccante, presidente da Rede de Escritoras Brasileiras (REBRA).
É com essa idéia que a Rede e a Associação Nacional de Livrarias (ANL) lançam o Projeto ‘Mulheres em Destaque nas Livrarias’ em comemoração ao próximo Dia Internacional da Mulher (08/03). >> Leia mais http://www.rebra.org
Pode nos dar uma forcinha ai no seu blog?
Um abraço
Yvone Pereira

Felipe Mendes fevereiro 12, 2008 às 5:55 pm

lino, eu sinceramente acho que essa história de que o brasileiro lê pouco pq os livros são caros é, na verdade, um mito. afinal de contas, existem ótimos livros (inclusive clássicos) que custam menos de R$ 10. existem os sebos p/ quem ñ quer comprar livros novos. e existem ainda as bibliotecas. p/ mim, isso aí ñ passa de uma ótima desculpa p/ a preguiça da maioria das pessoas

As conversas deste post estão encerradas.

Artigo anterior:

Próximo artigo: