A (QUASE) IRRELEVÂNCIA DOS JORNAIS